Fuá dos fufu

Ouve-se dizer que testamento, herança, inventário são coisas complicadas de lidar e que a gente começa a conhecer a família quando precisa resolver essas coisas…
Ah quem dera a herança fosse do tamanho dos mal-entendidos e das máscaras que caem!  Quem briga ou quem segue o bom senso? Quem tem mais direito? Ninguém sai a contento.
Eu só acho que a honestidade tem que prevalecer, e na maioria das famílias esse é um divisor de águas. A harmonia fica para os contos de comercial de margarina na tv.
Uns esquecem-se que esse é só mais um momento de estar na vida do outro, como foram muitos até aqui.  O que os traz até esse momento de “divisões” já é triste por si só, eu não entendo o por quê alguns insistem em permanecerem divididos…
Família veio embrulhada num pacote bem fechado, a gente não pode escolher o endereço de entrega, “caímos” onde tivemos como destino. Talvez, numa outra dimensão, ou numa outra vida, esse pacote venha pesado de amor,  e como consequência a aventura de pertencer à essa família seja só de finais felizes.

  • curti (1)

Tia sendo tia

KindPara mim é difícil improvisar a fantasia quando se trata de falar da realidade.
Ontem vi uma foto dos meus sobrinhos caçulas e me veio aquela sensação de falta. Só os  conheço por foto porque eles nasceram depois que vim para cá.
Tive a sorte de conviver com os meus sobrinhos mais velhos quando eles eram crianças e foi uma delícia! Tão bom ter sobrinho…  a gente mima sem se preocupar, porque a educação deixamos para os pais hehe
Sinto de coração não poder acompanhar o crescimento e deles não saberem disso, por isso escrevo esse texto. Um dia tenho a esperança que leiam.
Enquanto isso, R & F (as iniciais dos seus nomes), vou orar para que Deus reserve o melhor a vocês, acreditem em Deus mais do que em tudo, e que, “boas coisas acontecem quando esperamos, mas as ótimas quando vamos à luta.”

O caderno

  • curti (4)