A favor do vento

Desisti de trazer para perto quem prefere ficar afastado.
Há muito que não espero que os outros ajam conforme eu gostaria.
Não aguardo favores, elogios ou adesões.
Não fico em estado de alerta para flagrar quando pisam na bola comigo – percebo quando pisam, mas procuro não estressar com isso. Nem sempre consigo, mas tento. E, por fim, perdoo, não por ter parentesco em primeiro grau com Nossa Senhora, mas porque dá menos trabalho.
Digo não com a mesma facilidade com que digo sim. Cumpro tudo aquilo que eu exigiria dos outros se ainda tivesse disposição para fazer exigências. Agora só exijo de mim, e ainda assim, pouco.
A minha porção rigorosa e mesquinha existe, a briga é interna e não muito violenta: não me aplico golpes baixos. Meus demônios são inimigos adestrados.
Talvez, para alguns, uma vida sem tormentas diárias produza um vazio impossível de suportar. Cada um, cada qual. Eu joguei a toalha: o que não suporto mais nessa vida é peso.

Via

Pino Donaggio – Lo che non vivo

  • curti (1)