Relacionamentos

Muitas pessoas não querem amar, querem apenas ter alguém para passar o tempo, para fazer sexo, para companhia quando convier. Ou seja, querem apenas a parte florida da parceria, sem querer se responsabilizar pelos pesos incômodos que todo e qualquer relacionamento também carrega. Só pretendem assumir a parte divertida da vida, pois não amadureceram o suficiente para enfrentar os dissabores. Relacionar-se requer maturidade, comprometimento, empatia.
Não sinta atração por quem te usa como mera distração. Não gaste o seu melhor com quem não oferece nada em troca. Lembre-se de que o amor tem a medida exata da dignidade que te sobra ao final do dia, nada menos do que isso. Não perca tempo, não se iluda com quem não muda, não jogue fora no lixo esse seu coração que é tão lindo e especial. Resguarde-se, sonhe, ame-se. É isso.

Via

  • curti (0)

Casamento

Ontem 04/05 foi o casamento de uma sobrinha em Curitiba –
desejo mil felicidades ao novo casal!!
Pensando nisso é que lembrei desse artigo do
inesquecível (in memoriam) psiquiatra Flávio Gikovate:

Quando surgem os “defeitos” ou as “imperfeições” do amado (ou seja, aquilo que não gostamos nele) é que se inicia a efetiva relação amorosa.
Há “defeitos” que toleramos bem e outros que, mesmo irrelevantes, nos irritam ou magoam muito: convém pensar em nossas reações a longo prazo.
Os mais maduros tendem a ser mais tolerantes; porém, não convém subestimar o impacto negativo de certas condutas irritantes ao longo de anos.
Os que pretendem estabelecer elos sentimentais duráveis devem se acautelar bastante e fazer uma avaliação precisa do modo de ser do parceiro.
No dia a dia, a ausência de determinados “defeitos” que nos irritam muito é mais importante do que presença das qualidades que nos encantam!
Não é bom pensar que, com o convívio, as pessoas se ajustam e os “defeitos” se esvaem: é melhor acertar os detalhes antes de um compromisso.
Antigamente se dizia, brincando, que “quando casar, sara“. Não é verdade: quando as pessoas se casam, se acomodam e tudo tende a ficar pior.

  • curti (3)