Minha primeira vez

Por que sempre que falamos em “primeira vez” nossa mente pega o atalho e instiga-nos a pensar em sexo?
Como se fosse a única inauguração digna de relevância, como se fosse o único ritual de passagem que marca. Eu tive primeiras vezes inesquecíveis sem precisar desnudar-me.
Pela vida, há tantas “primeiras vezes” que a gente nem se dá conta, até o momento que tornam-se ralas e quiméricas. Isso é o primeiro passo para uma existência vegetativa, a qual respira só por aparelhos da rotina.
É aí que mora com endereço fixo o perigo, da gente ficar zanzando pelos dias sem nos darmos conta da preciosidade de cada acontecimento, seja ele inaugural ou findo. A gente cria uma membrana espessa que veda a percepção do nosso entorno, assim como fica presos a hábitos acorrentados, os quais não provocam mais surpresas.
Pois bem, que a gente possa mostrar as papilas gustativas, aquela comida nunca provada, experimentar assistir a uma peça alternativa de teatro, matricular-se numa aula de dança (mesmo tendo dois pés esquerdos), aprender a nadar, ir a um lugar frio nunca visitado, apesar de gostar do calor ou, fazer uma tatuagem.
Sei lá, qualquer coisa que traga coisa fresca, com cheiro do novo para aguçar e ressignificar as emoções, afinal mora em todos nós alguma virgindade.
A vida não aceita o desaforo da postura estática, ela quer ser desafiada e desvirginada quantas, tantas e inúmeras vezes forem possíveis, ela não quer que sejamos celibatos da gente mesmo.

  • curti (0)

Let it go

Primeira neve do outono, Mödling, Gaaden, Áustria, 30/11/17

“Eu sofri por muitas catástrofes na minha vida, a maioria nunca aconteceu” – a frase é do escritor americano MarkTwain. Mas podia ser minha. Ou sua. Quanta ansiedade e sofrimento evitaríamos simplesmente nos livrando dos pensamentos que antecipam problemas e conflitos. Aprender a deixar ir é um poderoso antídoto antiestresse… a prática diária consiste em parar, sentar, respirar e permanecer, por certo tempo, como observador de si mesmo. Quanto mais nos dedicarmos a essa “malhação cerebral”, mas aprenderemos a identificar certos padrões. Em um processo chamado de poda sináptica*, que acontece enquanto dormimos, a “jardinagem cerebral“ se encarrega de estimular as áreas que estamos usando e reduzir as que entendi como “sem uso“. A poda não tem juízo de valor, mas nossa consciência, sim. Ela nos leva a oportunidade de escolher como vamos nos comportar. Não é automático nem receita de bolo; podemos optar para sofrer menos e trabalhar com mais leveza. E deixar ir o resto.

(Trecho do texto de Cynthia Almeida, jornalista)

*Poda sináptica: Nosso cérebro é uma obra de arte em constante construção, a cada nova aprendizagem, novos circuitos neuronais são ativados, novas sinapses são formadas, eis aí a plasticidade.

  • curti (1)

É punk!

imagem Mödling, Niederösterreich

“O fato de ignorarmos o que sentimos não faz com que
desapareçam de dentro de nós, pelo contrário,
tudo o que é negado se torna mais forte.”
(T. F.)

Tenho reaprendido muita coisa que, com o tempo, por comodidade, ou preguiça de tocar no assunto, deixei de lado. Conversar problemas é esse tal aprendizado mais atual. Só que agora dancei, porque no meu trabalho exigem uma conversa assim uma vez na semana, e nem aquele mané que pega no meu pé posso ignorar com um bom dia ou boa tarde mais ou menos. Já dispensei até a terapia porque percebi que nem essas conversas me desestressam, ou seja, será que tenho solução ainda?
E assim vou levando… junto com a imunidade baixa, a falta de vitamina D e o outono que chegou com tudo!

  • curti (0)